Marcas, passagens e condensações constitui, sem dúvida, uma pesquisa que abre os caminhos da pesquisa em gravura na arte contemporânea. A expansão da linguagem da arte gráfica nas suas interfaces com o desenho e a pintura é uma das contribuições que Lurdi Blauth propõe ao longo desta obra. Trata-se de uma publicação oriunda dos seus estudos de Doutorado em Poéticas Visuais, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
A desnaturalização da matriz e seu esvaziamento transforma o processo convencional da prática da gravura. A geração de suportes questiona efetivamente a crença em categorias fixas no campo da gravura. A condensação extraída e iniciada com fogo através dos seus múltiplos processos nos conduz paradoxalmente a uma tridimensionalidade (im)própria da gravura.
A artista mostra que é durante a reflexão e escrita, no atelier, durante o processo criativo, onde se produz conhecimento para o avanço da(s) prática(s) artística(s). A poética não se localiza na metafísica da materialidade, mas na articulação conceitual que atravessa o imaginário da artista.
Mediante uma escrita incisiva a artista nos transporta rumo às fronteiras invisíveis das linguagens visuais, mostrando que não existem limites na arte. A prática da gravura não será a mesma.

                                                                                                             

Rosa Maria Blanca
Artista, Doutora em Ciências Humanas,
Teórica Queer e Professora da Universidade Feevale.